DIABETES

De todas as  doenças metabólicas o DIABETES é considerada uma doença da cultura alimentar e da desregrada alimentação ocidental.

No mundo, é a mais comum das doenças metabólicas graves, que a grande parte dos doentes tem.

Estatísticas graves da Diabetes:

Trata-se de uma doença que atingiu níveis de descontrole no mundo. De Nova York vem a informação que o número de adultos com diabetes no mundo, mais do que dobrou nos últimos 30 anos, chegando a quase a 350 milhões de pessoas.É uma doença que está intimamente ligada, ao padrão ocidental de vida, com um alto consumo de alimentos refinados, industrializados com baixo consumo de alimentos naturais e integrais.

O que é o DIABETES?

Trata-se do distúrbio crônico de metabolismo dos carboidratos, gorduras e proteínas caracterizado pela elevação dos níveis de glicose e insulina circulante no sangue. É considerada uma doença grave, pois em efeito cascata, é responsável pelo desenvolvimento de uma vasta lista de outras doenças, como:

-aterosclerose (doença inflamatória crônica na qual ocorre a formação de placas, compostas por lípidos e tecido fibroso, que se formam na parede dos vasos);

Insuficiência renal (doenças dos rins)

Derrame cerebral – Afecta especialmente as artérias do coração ou do cérebro , perda de função nervosa.

-Problemas cardíacos (infarto do coração),e circulatórios (obstrução da circulação sanguínea das extremidades dos pés/pernas).

-Problemas visuais,

-Lesões de difícil cicatrização, etc.

Quantos tipos de DIABETES EXISTE?

Diabetes Mellitus Tipo I – insulino-dependente. Esse tipo de diabetes, tem início na fase da infância e juventude. É uma doença auto-imune, onde há uma agressão do sistema imunológico do corpo, sobre seus  próprios tecidos; ocorre então, uma destruição completas das células Beta do Pâncreas, responsáveis pela produção do hormônio Insulina.

Diabetes Mellitus Tipo II – Em geral tem início na fase adulta do paciente, é sub dividida em 2 grupos: com obesidade e sem obesidade.Uma doença multi fatorial, que passa pelo desequilíbrio do intestino, com alta absorção de carboidratos, alteração e força da insulina circulante e o desequilíbrio da dieta do paciente, co0m alto consumo de carboidratos refinados proveniente dos pães, massas, refrigerantes, bebidas alcoólicas, etc..

Diabetes Secundário – É quando a diabetes se instala, em decorrência de outras doenças e síndromes como: doença pancreática, distúrbios hormonais, anormalidades dos receptores de insulina na membrana das células (resistência insulínica), a diabetes induzida por drogas e  síndromes geriátricas (dos idosos).

Diabetes gestacional – situação específica e temporária que certas mulheres tem no período gestacional.

Diabetes senil – Característicos dos idosos, trata-se de uma doença decorrente do desequilíbrio ou queda da produção do Pâncreas de insulina e enzimas digestivas. Pode ocorrer também em decorrência da ingestão de um grande número de remédios, ou seja, diabetes como efeito colateral do consumo de drogas.

IMPORTÂNCIA E INTERFERÊNCIA GENÉTICA

Todos nós profissionais de saúde sempre perguntamos na consulta, a respeito das doenças familiares, como possibilidade do desenvolvimento de várias doenças, como o DIABETES, e hipertensão, por exemplo.

Embora a pessoa tenha antecedentes familiares portadores de DIABETES, ele não precisa desenvolver a doença. Isto deve se considerado um alerta! Basta   conscientizar-se, que sua predisposição, pode levá-lo à doença e ser estímulo para mudança dos seus hábitos alimentares, incluindo práticas de exercício físico constantes, visitando seu médico e nutricionista, 2 vezes ao ano, para controles metabólicos.

OBESIDADE

É causa e efeito da DIABETES. O controle do peso é o primeiro passo no tratamento preventivo do DIABETES. 90% dos DIABÉTICOS são obesos.

Mesmo nos indivíduos normais, o ganho de peso significante, passando de sobrepeso a obesidade,  levam o paciente a desenvolver problemas com o metabolismo dos carboidratos, a conhecida resistência periférica a insulina, do tecido adiposo e muscular, gerando níveis altos de insulina e de glicemia circulantes.

Com certeza, estes indivíduos ingeriram dietas bastante desequilibradas, ácidas, a base de muito carboidrato refinado, muita bebida alcoólica, combinadas com sedentarismo e bastante stress.

IMPORTANTE:

Seja qual for o peso a mais que você tenha: 1, 3, 5 ou 10 kg ou mais, faça de tudo para eliminar. Estabilizar o peso afasta a pessoa não só da diabetes mas de uma infinidade de outras doenças como a hipertensão.

 É possível desenvolver DIABETES pela presença de parasitas intestinais?

Com certeza, Ao ir ao médico, peça que ele pesquise em você a presença de parasitas do tipo: ASCARIS LUMBRICOIDES H PYLORI  GIARDIA  CANDIDA  LAICHIMANIA. São possíveis parasitas intestinais capazes de migrarem pelas paredes do intestino e estômago e atingirem o órgão pâncreas, fazendo com que ele se desequilibre em suas funções, exógena de produção de enzimas digestivas e endógena na produção de insulina.

Minha diabetes pode se manifestar muito rápido? de uma hora para outra?

Não, hoje já se sabe que muitos marcadores metabólicos, começam a se alterar alguns anos antes da glicemia alterar.

Alterações intestinais:

1-Disbiose intestinal: a morte dos lactobacilos que protegem o tecido intestinal, interferem no metabolismo da insulina. Desenvolve-se também uma inflamação local e sistêmica do tecido do intestino, alterando sua função causando constipação e muitos gases.

2-Aumento da permeabilidade intestinal: a presença da disbiose intestinal, elevam a absorção de carboidratos, ou seja, o intestino passa a absorver uma quantidade exagerada de carboidratos da dieta; “prato de comida grande, fezes muito pequenas”.

3-GGT – gama-glutamil-tranferase. Esta enzima produzida pelo fígado e pâncreas, é um marcador metabólico importantíssimo na doença DIABETES.O GGT deve ser monitorado anualmente e não pode passar de 16. Essa enzima começa a subir em média, 2 anos antes da instalação do DIABETES. Fique de olho nos seus exames e nos sintomas que ela provoca, fraqueza, fadiga dor e distensão abdominal.

4-Insulina. O controle da insulina é tão importante quanto o controle da glicemia. A insulina de jejum de uma pessoa saudável e magra, deve ser no máximo 5. Valores acima, já se tornam um alerta, que esse paciente está entrando em “resistência insulínica” já está acima do peso ou obeso, e será então, um diabético em breve.

DIABETES COMO CAUSA ALIMENTAR

São inúmeros os produtos alimentícios causadores de DIABETES, e doenças metabólicas em geral.

Os refrigerantes: depletam (retiram do nosso metabolismo) diversos minerais, dentre eles, o lítio e o cromo. Esses minerais, participam da produção e utilização da  insulina.

O álcool: O álcool e o refrigerante, depletam (retiram do nosso metabolismo) o Zinco, mineral importantíssimo na produção, liberação e utilização da insulina.

Com a deficiência desses minerais, o corpo ficamos com mais predisposição para:
– diabetes – obesidade – irritação- ansiedade- angústia- descontroles emocionais

Alimentos funcionais, o que são? Eles podem ajudar no controle da glicemia?

Sim podem! O alimento em incluso no seu valor nutricional, o valor terapêutico, de tratamento de doenças específicas.

Cereal 100% integral: Esse carboidrato entra lentamente na corrente sanguínea sem alterar muito a insulina e a glicemia. Devem aparecer 3 vezes ao dia, na dieta de uma pessoa; nas frutas pela manhã, em bolos e pães (feitos com farinhas 100% integral), no arroz integral, grão de bico e feijão azuki.

Farinhas amido resistentes: Trata-se de um amido de baixa absorção com alto poder de saciedade. Ideal para o DIABETES.A farinha de banana verde, é um bom exemplo.

Atenção: Qualquer mudança de hábitos alimentares, especialmente no caso do DIABETES, deve ser feito por um nutricionista funcional, habilitada a ajudar esse paciente.  É muito importante controlar no paciente, a ingestão de alimentos no decorrer do dia. É importante para o diabético distribuir os carboidratos simples e complexos, de baixo e alto índice glicêmico, no decorrer do dia, para evitar picos de insulina e glicemia.

Denise A. Nogueira – Nutricionista CRN 605

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *